Áudio Analógico de Portugal
Bem vindo / Welcome / Willkommen / Bienvenu

Áudio Analógico de Portugal

A paixão pelo Áudio


Fórum para a preservação e divulgação do áudio analógico, e não só...
 
InícioPortalCalendárioPublicaçõesFAQGruposRegistrar-seConectar-se
Fórum para a preservação e divulgação do áudio analógico, e não só...

Compartilhe | 
 

 O gosto pela língua Portuguesa

Ir em baixo 
AutorMensagem
ricardo onga-ku
Membro AAP
avatar

Mensagens : 5055
Data de inscrição : 02/01/2012
Localização : Terra d'Angles

MensagemAssunto: O gosto pela língua Portuguesa   Qua Jan 29 2014, 11:42

Para quem gosta da nossa língua e se interessa pela sua riqueza recomendo vivamente o programa "Lugares Comuns" da Antena 1:

http://www.rtp.pt/play/p491/lugares-comuns

Por detrás de toda expressão popular existe uma história que lhe deu origem. São pérolas da língua portuguesa que o uso da própria língua se encarregou de remeter para a memória.
Partindo de um breve comentário a um evento noticioso, e escolhendo uma expressão popular que a ele remeta, a ideia desta crónica será a de, com bonomia e humor, revelar ao leitor a etimologia/origem de uma expressão popular.
De 2ª a 6ª feira – 08h58 e 20h58 com Mafalda Lopes da Costa


Boas escutas,
Ricardo
Voltar ao Topo Ir em baixo
Milton
Membro AAP
avatar

Mensagens : 15338
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 56
Localização : Scalabicastro, naquele Jardim á beira, mal plantado

MensagemAssunto: Re: O gosto pela língua Portuguesa   Qua Jan 29 2014, 12:51

Acerca da tão mal tratada língua, de quando em vez ainda aparecem pessoas que usam a elegância de escrita , e é assim que me atrevo a transcrever para aqui um dos muitos textos do Daniel Abrunheiro que semanalmente nos presenteia no jornal local.

Crónica Rosário Breve - A mesma história duas vezes por Daniel Abrunheiro



Por ocasião dos primeiros dias do ano corrente, apareceu vadiando pelas imediações do bairro onde assentei praça para a vida um gato. Bonito, masculino, sozinho, o todo dele parecia-se demasiado com o nada, mercê do golpe sem mercê do abandono. Pela esplanada da pastelaria, o animal roçava-se pelas pernas humanas dos sentados, mais mendigando afagos na cabeça do que comida. Conto-me entre as pessoas que se condoeram do bicho, decerto perdido de carinhos até então usufruídos. Não mostrava feridas para além da do olhar, que catrapiscava desamparo a milhas longas. Um dia, na passagem coberta entre prédios, apareceram duas taças plásticas, uma com água fresca e outra com ração seca própria para felídeos. Comecei a trazer a minha contribuição diária.

Pelos mesmos entretantos, ali-além, à beira de uma vala que delimita a oriente um terreiro de feira, fiz outra descoberta. Existe nesse azimute um cubículo pré-fabricado, desses que servem de guarita de billheteira para os certames pimbas tão ao gosto da populaça de alegada ascendência lusitana. Como o gato referido supra, também o cubículo amanh’anoitece todos os dias em abandono. Até começar o ano.

Aconteceu que, debruçando-me eu para içar do chão o guarda-chuva, que se me escapulira do antebraço do lado do relógio, me foi dado sentir que a minha pluvial e proverbial solidão não estava tão sozinha quão de costume. E não estava: reerguido, vi pela janela estilhaçada da ex-bilheteira um homem quase ainda rapaz lá dentro. Também sozinho, também masculino, talvez bonito quando criança com casa de pais ou mulher. Estava lá dentro deitado, por paradoxo, entre cartões de embalar frigoríficos para se aquecer, que o Janeiro tem andado de modos frígidos. A minha cabeça assustou-o. Como que devassado, mirou-me em cautelas defensivas. Tivera ele asas – e estou certo que teria despassarado dali num fósforo de tempo. Por respeito, por embaraço também, murmurei-lhe Desculpe e despassarei eu de chapéu, guarda-chuva e gabardina, que até parecia o Jacques Tati. Na crónica que de imediato senti não poder deixar de escrever, guardo o olhar dele: fulgia daquela brasa álgida tão própria dos que perderam tudo menos a certeza de a vida ser uma estéril meretriz quando lhe apetece.


Levei-me para outra geografia onde as chuvas não doessem tanto na almácega do coração. Tão cedo, não volto lá a passar. Não é que eu não tenha em casa comida de gente para partilhar com ele. O meu receio é que, levando-lhe algum pão, me distraia a ponto de, sem que ele mo peça ou de mim o espere, ainda acabe por lhe fazer algum afago na cabeça.

_________________
Voltar ao Topo Ir em baixo
ricardo onga-ku
Membro AAP
avatar

Mensagens : 5055
Data de inscrição : 02/01/2012
Localização : Terra d'Angles

MensagemAssunto: Re: O gosto pela língua Portuguesa   Qua Jan 29 2014, 13:07

Estou a gostar…vou ali buscar o dicionário.

Um abraço,
Ricardo
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: O gosto pela língua Portuguesa   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
O gosto pela língua Portuguesa
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» RAISING LEGENDS RECORDS - a nova editora portuguesa.
» Comprar componentes eletrônicos pela internet...
» Poesia portuguesa...
» Separados pela fama(versão a casa dos kaulitz dos horrores)
» Compra de baixo pela net

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Áudio Analógico de Portugal :: Off Topic-
Ir para: