Áudio Analógico de Portugal
Bem vindo / Welcome / Willkommen / Bienvenu

Áudio Analógico de Portugal

A paixão pelo Áudio


Fórum para a preservação e divulgação do áudio analógico, e não só...
 
InícioPortalCalendárioPublicaçõesFAQGruposRegistrar-seConectar-se
Fórum para a preservação e divulgação do áudio analógico, e não só...

Compartilhe | 
 

 Algumas vergonhas no nosso jardim

Ir em baixo 
Ir à página : Anterior  1, 2, 3 ... 11 ... 20  Seguinte
AutorMensagem
PAINTER
Membro AAP


Mensagens : 972
Data de inscrição : 06/10/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sex 10 Jan - 18:07

CNeves escreveu:
Não resisti a transcrever neste espaço um artigo da espanhola Concha Caballero.
Trata-se de uma artigo escrito e publicado em meados do corrente ano,
mas que mantém toda a sua actualidade (ou terá mesmo mais), toda a sua
perspicácia e toda a sua objectividade. Não deixem de ler.

==================================


Título:- O Dia em que acabou a crise.


Subtítulo:- Quando terminar a recessão teremos perdido 30 anos de
direitos e salários.



Um dia no ano 2014 vamos acordar e vão anunciar-nos que a crise
terminou. Correrão rios de tinta escrita com as nossas dores,
celebrarão o fim do pesadelo, vão fazer-nos crer que o perigo passou
ezmente a crise ecológica, a crise da distribuição desigual, a crise
da impossibilidade de crescimento infinito permanecerá intacta mas
essa ameaça nunca foi publicada nem difundida e os que de verdade
dominam o mundo terão posto um ponto final a esta crise fraudulenta
(metade realidade, metade ficção), cuja origem é difícil de decifrar
mas cujos objetivos foram claros e contundentes

- Fazer-nos retroceder 30 anos em direitos e em salários


Um dia no ano 2014, quando os salários tiverem descido a níveis
terceiro-mundistas; quando o trabalho for tão barato que deixe de ser
o fator determinante do produto; quando tiverem feito ajoelhar todas
as profissões para que os seus saberes caibam numa folha de pagamento
miserável; quando tiverem amestrado a juventude na arte de trabalhar
quase de graça; quando dispuserem de uma reserva de uns milhões de
pessoas desempregadas dispostas a ser polivalentes, descartáveis e
maleáveis para fugir ao inferno do desespero, então a crise terá
terminado.


Um dia do ano 2014, quando os alunos chegarem às aulas e se tenha
conseguido expulsar do sistema educativo 30% dos estudantes sem deixar
rastro visível da façanha; quando a saúde se compre e não se ofereça;
quando o estado da nossa saúde se pareça com o da nossa conta
bancária; quando nos cobrarem por cada serviço, por cada direito, por
cada benefício; quando as pensões forem tardias e raquíticas; quando
nos convençam que necessitamos de seguros privados para garantir as
nossas vidas, então terá acabado a crise.


Um dia do ano 2014, quando tiverem conseguido nivelar por baixo todos
e toda a estrutura social (exceto a cúpula posta cuidadosamente a
salvo em cada sector), pisemos os charcos da escassez ou sintamos o
respirar do medo nas nossas costas; quando nos tivermos cansado de nos
confrontarmos uns aos outros e se tenham destruído todas as pontes de
solidariedade. Então anunciarão que a crise terminou.


Nunca em tão pouco tempo se conseguiu tanto. Somente cinco anos
bastaram para reduzir a cinzas direitos que demoraram séculos a ser
conquistados e a estenderem-se. Uma devastação tão brutal da paisagem
social só se tinha conseguido na Europa através da guerra.

Ainda que, pensando bem, também neste caso foi o inimigo que ditou as
regras, a duração dos combates, a estratégia a seguir e as condições
do armistício.


Por isso, não só me preocupa quando sairemos da crise, mas como
sairemos dela. O seu grande triunfo será não só fazer-nos mais pobres
e desiguais, mas também mais cobardes e resignados já que sem estes
últimos ingredientes o terreno que tão facilmente ganharam entraria
novamente em disputa.


Neste momento puseram o relógio da história a andar para trás e
ganharam 30 anos para os seus interesses. Agora faltam os últimos
retoques ao novo marco social: Um pouco mais de privatizações por
aqui, um pouco menos de gasto público por ali e“voila”: A sua obra
estará concluída.


Quando o calendário marque um qualquer dia do ano 2014, mas as nossas
vidas tiverem retrocedido até finais dos anos setenta, decretarão o
fim da crise e escutaremos na rádio as condições da nossa rendição.


(***) -Concha Caballero é licenciada em Filologia Espanhola e
professora de literatura num instituto público.

Abandonou a politica decepcionada com a coligação eleitoral do seu partido.

Há anos que passou do exercício da politica activa para analista e
articulista, social e politica, de vários meios de comunicação, com
destaque para o EL PAÍS.

É uma amante da literatura e firmemente humana com as questões sociais.

Clique no link abaixo e leia o artigo Original em Castelhano


http://teatrevesadespertar.wordpress.com/2013/06/20/el-dia-que-acabo-la-crisis-por-concha-caballero/


Boas audições




Ora aí está! Penso e digo muitas vezes o mesmo ao pessoal do meu convívio. Anuncia-se que a crise está a acabar, e ainda bem. Mas não dizem que ficamos 20 a 30 anos a pagar a dívida!!! Os da minha geração morrem e a dívida continuará por se pagar. É nisto que as pessoas têm de se mentalizar, não basta correr com os credores, o pior fica, a dívida por pagar a longo prazo.
Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sex 10 Jan - 20:04

 photo FilhodaPuta_zpsa80a6740.jpg

Transcrevo um texto que circula na net: não concordo com tudo,    mas quase.   

Este grandessíssimo filho da p... sabia que a sua futura pensão não seria atingida pelos cortes que defendeu de forma intelectualmente desonesta.


Este grandessíssimo filho da p... sabia que a sua futura pensão não seria atingida pelos cortes que defendeu de forma intelectualmente desonesta.
Este grandessíssimo filho da p... terá uma pensão por conta de um fundo de pensões do Banco de Portugal, instituição onde se acolhe uma corja de malfeitores que impõe aos outros o que sabem não os atingir, como é, por exemplo, o caso do ex-ministro Gaspar.
Este grandessíssimo filho da p... é intelectualmente desonesto quando fala da situação financeira da CGA, pois sabe, mas esconde, que não há entradas novas no sistema e que o governo não paga à CGA o que as entidades patronais são obrigadas a pagar para o regime da Segurança Social.
Este grandessíssimo filho da p... sabe que isso nunca acontecerá com a corja privilegiada do Banco de Portugal em cujas tetas mama. Porque o Banco de Portugal assegurará, com prejuízo dos lucros do Estado, de todos nós, o que for necessário para manter os privilégios da corja que calca os mais fracos, condição para que possam manter o estatuto de filhos da p....
Declaração de interesses: não sou beneficiário da CGA, mas não gosto de filhos da p... a quem mandaria, se pudesse, para a prisão.

Boas audições
Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sex 10 Jan - 20:13

Repito uma frase, que circula na net, que julgo particularmente adequada ao momento actual

?E SE TODOS OS REFORMADOS, PENSIONISTAS E APOSENTADOS, EXIGISSEM TODO O
DINHEIRO QUE AS ENTIDADES EMPREGADORAS E ELES PRÓPRIOS ENTREGARAM AO
ESTADO, VISTO ESTE NÃO ESTAR A CUMPRIR O CONTRATO ?
  


Boas audições
Voltar ao Topo Ir em baixo
PAINTER
Membro AAP


Mensagens : 972
Data de inscrição : 06/10/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sex 10 Jan - 20:44

CNeves escreveu:
 photo FilhodaPuta_zpsa80a6740.jpg

Transcrevo um texto que circula na net: não concordo com tudo,    mas quase.   

Este grandessíssimo filho da p... sabia que a sua futura pensão não seria atingida pelos cortes que defendeu de forma intelectualmente desonesta.


Este grandessíssimo filho da p... sabia que a sua futura pensão não seria atingida pelos cortes que defendeu de forma intelectualmente desonesta.
Este grandessíssimo filho da p... terá uma pensão por conta de um fundo de pensões do Banco de Portugal, instituição onde se acolhe uma corja de malfeitores que impõe aos outros o que sabem não os atingir, como é, por exemplo, o caso do ex-ministro Gaspar.
Este grandessíssimo filho da p... é intelectualmente desonesto quando fala da situação financeira da CGA, pois sabe, mas esconde, que não há entradas novas no sistema e que o governo não paga à CGA o que as entidades patronais são obrigadas a pagar para o regime da Segurança Social.
Este grandessíssimo filho da p... sabe que isso nunca acontecerá com a corja privilegiada do Banco de Portugal em cujas tetas mama. Porque o Banco de Portugal assegurará, com prejuízo dos lucros do Estado, de todos nós, o que for necessário para manter os privilégios da corja que calca os mais fracos, condição para que possam manter o estatuto de filhos da p....
Declaração de interesses: não sou beneficiário da CGA, mas não gosto de filhos da p... a quem mandaria, se pudesse, para a prisão.

Boas audições


Amigo Neves, se calhar ainda não sabes desta que acabo de saber   


Subsídios de Férias e de Natal dos deputados para 2014 aumentam 91,8%!



A notícia é mesmo verdadeira e vem no Diário da República.

Mais uma vez, como é já conhecido e sabido, a Assembleia da República
dá o mau exemplo do despesismo público e, pelos vistos, não tem
emenda.

Em relação ao ano em curso de 2013, o Orçamento para o funcionamento
da Assembleia da República para 2014 prevê um aumento global de 4,99%
nos vencimentos dos deputados, passando estes de 9.803.084 € para
10.293.000,00 €.

Mais estranho ainda é a verba relativa aos subsídios de férias de
natal que, relativamente ao orçamento para o ano de 2013, beneficia de
um aumento de 91,8%, passando, portanto, de 1.017.270,00 € no
orçamento relativo a 2013 para 1.951.376,00 € no orçamento para 2014
(são 934.106,00 € a mais em relação ao ano anterior!).

Este brutal aumento não tem mesmo qualquer explicação racional, ainda
assim fomos consultar a respetiva legislação para ver a sua fórmula de
cálculo e não vimos nenhuma alteração legal desde o ano de 2004, pelo
que não conseguimos mesmo saber as causa e explicação para tanto..

Basta ir ao respetivo documento do orçamento da Assembleia da
República para 2014 e, no capítulo das despesas, tomar atenção à
rubrica 01.01.14, está lá para se ver.

Já as despesas totais com remunerações certas e permanentes com a
totalidade do pessoal, ou seja, os deputados, assistentes, secretárias
e demais assessores, ao serviço da Assembleia da República aumentam
5,4%, somando o total € 44.484,054.

Os partidos políticos também vão receber em 2014 a título de subvenção
política e para campanhas eleitorais o montante de € 18.261.459.

Os grupos parlamentares ainda recebem uma subvenção própria de
880.081,00 €, sendo a subvenção só para despesas de telefone e
telemóveis a quantia de 200.945,00 €.

É ver e espantar!

Caso tenham dúvidas é só consultarem o D.R., 1.ª Série, n.º 226, de
21/11/2013, relativo ao orçamento de 2014, e o D.R., 1.ª Série, n.º
222, de 16/11/2012, relativamente ao orçamento de 2013.

Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sex 10 Jan - 21:07

Caro amigo Painter

Agora é caso para concordar: grandes filhos da pu%&a.   

Boas audições
Voltar ao Topo Ir em baixo
PAINTER
Membro AAP


Mensagens : 972
Data de inscrição : 06/10/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sex 10 Jan - 21:11

CNeves escreveu:
Caro amigo Painter

Agora é caso para concordar: grandes filhos da pu%&a.   

Boas audições


Podes crer!
Votar?    em nenhum deles!
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sab 11 Jan - 0:29

Por aqui se vê que "eles" cuidam daqueles que executaram o trabalho sujo que lhes rende biliões.






_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
limiano
Membro AAP


Mensagens : 45
Data de inscrição : 11/12/2011

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sab 11 Jan - 13:00

Boa tarde a todos os confrades!

Eu já tive o mesmo problemas mas resolvi com uma almofadas na parede .Claro que arranjei novos problemas e mais graves .A maria entrou em cliping!!!
Temos que escolher .Ou deixamos andar ou fazemos uma revolução
Claro que a revolução ninguém quer ,que isto de revoluções pode acabar mal ( a sogra)....E mal por mal ,mais vale ficar no sofá que na rua está frio e pode-se ter um acidente...
Então entretemo-nos a dizer mal a acusar e parecermos todos bons rapazes .No final sistema agradece .A malta protesta mas tudo dentro da ordem estabelecida. Tudo bons rapazes
Tomei uma decisão! Não vou ligar mais ao que se diz pela net .Um tipo anda a ler coisas e mais coisas e na volta é tudo mentira .O som é uma porcaria !
Mas que importa se a malta é toda surda !
Mas também há os políticos ! Aqueles cujas opiniões variam em função dos interesses .Hoje dizem mal ,amanhã até acham uma boa solução .
Quando há comício ,não aparecem ficam calados por uns tempos a ver se esquece para serem como se diz agora ,politicamente correctos

E pronto ! O som é politica e os políticos são todos iguais

Bem haja
Na paz do senhor
Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sab 11 Jan - 13:43

Caro amigo Limiano

Já aqui contei o episódio comigo e o silva: alguns dirão que é dar-me muita importância; talvez, mas ocorreu, e eu julgo que depois disso, no deve e haver dos pecados, Deus Nosso Senhor, á conta disso, já me perdoou uns quantos: porque o silva, é mesmo do mais baixo e mais reles do que existe na política, e quando se diz política, diz-se qualquer atividade humana.

Eu vivo ao pé do conselho de ministros; e no seu inicio de atividades criminosas o pm, costumava ir almoçar a um restaurante aqui do bairro.

Convém dizer que o gajo tem mau gosto e o restaurante não é grande coisa.


Deixou de ir, segundo me conste: e deixou de ir porque é um cobardolas; porque se fosse, talvez lhe acontecesse o que aconteceu ao gaspar quando foi ao supermercado: cospiam-lhe na cara.

Pois é, estes valentes, que protegem os seus apaniguados, como o energúmeno da Madeira; fazem as patifarias muito escondidos; e depois vão para o estrangeiro como é o caso do arnould, que vai se empregado de uma empresa envolvida nas privatizações.

Não é preciso muita imaginação para imaginar o desenrolar do processo: “eu faço-te uns favores: ganhas uns largos milhões, e depois dá-me emprego”.

Com o gaspar é a mesma coisa: fez o favor aos alemães, e agora vai para um grande tacho com o apoio da Merkel.

E aposto o que quiserem que com os chouriços do silva e do coelho vai acontecer a mesma coisa .

Os cobardolas são assim mesmo.

Digo isto, porque se o pm continua-se a ir ao restaurante, podem ter a certeza que eu ia lá chamar-lhe aldrabão.

Infelizmente para mim, ele é um cobardolas e deixou de lá ir, pelo menos regularmente.

Revoluções, não dão muito jeito, mas se todos nós quando virmos na rua, ou nos encontrarmos com um destes criminosos que nos governam, ou os apoiam, lhe chamar-mos na cara, não cuspir, aldabrões e cobardolas, talvez isto melhore.

Boas audições



Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Dom 12 Jan - 9:27

Vítor Gaspar candidata-se a alto cargo no FMI


http://www.jornaldenegocios.pt/economia/detalhe/vitor_gaspar_candidata_se_a_alto_cargo_no_fmi.html

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Seg 13 Jan - 4:58

São todos recompensados.


http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/ultima-hora/ex-ministros-em-lugares-dourados-190904877

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Seg 13 Jan - 19:43

Escreveu Jean Cocteau: “Uma garrafa de vinho meio vazia está meio cheia. Mas uma meia mentira nunca será uma meia verdade”. Veio-me à memória esta frase a propósito das meias mentiras e falácias que o tema pensões alimenta. Eis (apenas) algumas:

1. “As pensões e salários pagos pelo Estado ultrapassam os 70% da despesa pública, logo é aí que se tem que cortar”. O número está, desde logo, errado: são 42,2% (OE 2014). Quanto às pensões, quem assim faz as contas esquece-se que ao seu valor bruto há que descontar a parte das contribuições que só existem por causa daquelas. Ou seja, em vez de quase 24.000 M€ de pensões pagas (CGA + SS) há que abater a parte que financia a sua componente contributiva (cerca de 2/3 da TSU). Assim sendo, o valor que sobra representa 8,1% da despesa das Administrações Públicas.

2. Ou seja, nada de diferente do que o Estado faz quando transforma as SCUT em auto-estradas com portagens, ao deduzi-las ao seu custo futuro. Como à despesa bruta das universidades se devem deduzir as propinas. E tantos outros casos…

3. Curiosamente ninguém fala do que aconteceu antes: quando entravam mais contribuições do que se pagava em pensões. Aí o Estado não se queixava de aproveitar fundos para cobrir outros défices.

4. Outra falácia: “o sistema público de pensões é insustentável”. Verdade seja dita que esse risco é cada vez mais consequência do efeito duplo do desemprego (menos pagadores/mais recebedores) e - muito menos do que se pensa - da demografia, em parte já compensada pelo aumento gradual da idade de reforma (f. de sustentabilidade). Mas porque é que tantos “sábios de ouvido” falam da insustentabilidade das pensões públicas e nada dizem sobre a insustentabilidade da saúde ou da educação também pelas mesmas razões económicas e demográficas? Ou das rodovias? Ou do sistema de justiça? Ou das Forças Armadas? Etc. Será que só para as pensões o pagador dos défices tem que ser o seu pseudo “causador”, quase numa generalização do princípio do poluidor/pagador?

5. “A CES não é um imposto”, dizem. Então façam o favor de explicar o que é? Basta de logro intelectual. E de “inovações” pelas quais a CES (imagine-se!) é considerada em contabilidade nacional como “dedução a prestações sociais” (p. 38 da Síntese de Execução Orçamental de Novembro, DGO).

6. “95% dos pensionistas da SS escapam à CES”, diz-se com cândido rubor social. Nem se dá conta que é pela pior razão, ou seja por 90% das pensões estarem abaixo dos 500 €. Seria, como num país de 50% de pobres, dizer que muita gente é poupada aos impostos. Os pobres agradecem tal desvelo.

7. A CES, além de um imposto duplo sobre o rendimento, trata de igual modo pensões contributivas e pensões-bónus sem base de descontos, não diferencia careiras longas e nem sequer distingue idades (diminuindo o agravamento para os mais velhos) como até o fazia a convergência (chumbada) das pensões da CGA.

8. “As pensões podem ser cortadas”, sentenciam os mais afoitos. Então o crédito dos detentores da dívida pública é intocável e os créditos dos reformados podem ser sujeitos a todas as arbitrariedades?

9. “Os pensionistas têm tido menos cortes do que os outros”. Além da CES, ter-se-ão esquecido do seu (maior) aumento do IRS por fortíssima redução da dedução específica?

10. Caminhamos a passos largos para a versão refundida e dissimulada do famigerado aumento de 7% na TSU por troca com a descida da TSU das empresas. Do lado dos custos já está praticamente esgotado o mesmo efeito por via laboral e pensional, do lado dos proveitos o IRC foi já um passo significativo.

11. Com os dados com que o Governo informou o país sobre a “calibrada” CES, as contas são simples de fazer. O buraco era de 388 M€. Descontado o montante previsto para a ADSE, ficam por compensar 228 M€ através da CES. Considerando um valor médio de pensão dos novos atingidos (1175€ brutos), chegamos a um valor de 63 M€ tendo em conta o número – 140.000 pessoas - que o Governo indicou (parece-me inflacionado…). Mesmo juntando mais alguns milhões de receitas por via do agravamento dos escalões para as pensões mais elevadas, dificilmente se ultrapassam os 80 M€. Faltam 148 M, quase 0,1% do PIB (dos 0,25% que o Governo entendeu não renegociar com a troika, lembram-se?). Milagre? “Descalibração”? Só para troika ver?

12. A apelidada “TSU dos pensionistas” prevista na carta que o PM enviou a Barroso, Draghi e Lagarde em 3/5/13 e que tinha o nome de “contribuição de sustentabilidade do sistema de pensões” valia 436 M€. Ora a CES terá rendido no ano que acabou cerca de 530 M€. Se acrescentarmos o que ora foi anunciado, chegaremos, em 2014, a mais de 600 M€ de CES. Afinal não nos estamos a aproximar da “TSU dos pensionistas”, mas a … afastarmo-nos. Já vai em mais 40%!

13. A ideologia punitiva sobre os mais velhos prossegue entre um muro de indiferença, um biombo de manipulação, uma ausência de reflexão colectiva e uma tecnocracia gélida. Neste momento, comparo o fácies da ministra das Finanças a anunciar estes agravamentos e as lágrimas incontidas da ministra dos Assuntos Sociais do Governo Monti em Itália quando se viu forçada a anunciar cortes sociais. A política, mesmo que dolorosa, também precisa de ter uma perspectiva afectiva para os atingidos. Já agora onde pára o ministro das pensões?

P.S. Uma nota de ironia simbólica (admito que demagógica): no Governo há “assessores de aviário”, jovens promissores de 20 e poucos anos a vencer 3.000€ mensais. Expliquem-nos a razão por que um pensionista paga CES e IRS e estes jovens só pagam IRS! Ética social da austeridade?

Economista, ex-ministro das Finanças
Voltar ao Topo Ir em baixo
Samuel Resendes
Membro AAP
avatar

Mensagens : 1031
Data de inscrição : 15/04/2013
Idade : 48
Localização : Ponta Delgada

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Seg 13 Jan - 20:13

Mais uma prendinha destes senhores que só nos desgovernam...

http://www.noticiasonline.eu/2014/01/13/governo-acaba-com-o-complemento-solidario-para-idosos/
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Seg 13 Jan - 20:38

CNeves escreveu:
Escreveu Jean Cocteau: “Uma garrafa de vinho meio vazia está meio cheia. Mas uma meia mentira nunca será uma meia verdade”. Veio-me à memória esta frase a propósito das meias mentiras e falácias que o tema pensões alimenta. Eis (apenas) algumas:

1. “As pensões e salários pagos pelo Estado ultrapassam os 70% da despesa pública, logo é aí que se tem que cortar”. O número está, desde logo, errado: são 42,2% (OE 2014). Quanto às pensões, quem assim faz as contas esquece-se que ao seu valor bruto há que descontar a parte das contribuições que só existem por causa daquelas. Ou seja, em vez de quase 24.000 M€ de pensões pagas (CGA + SS) há que abater a parte que financia a sua componente contributiva (cerca de 2/3 da TSU). Assim sendo, o valor que sobra representa 8,1% da despesa das Administrações Públicas.

2. Ou seja, nada de diferente do que o Estado faz quando transforma as SCUT em auto-estradas com portagens, ao deduzi-las ao seu custo futuro. Como à despesa bruta das universidades se devem deduzir as propinas. E tantos outros casos…

3. Curiosamente ninguém fala do que aconteceu antes: quando entravam mais contribuições do que se pagava em pensões. Aí o Estado não se queixava de aproveitar fundos para cobrir outros défices.

4. Outra falácia: “o sistema público de pensões é insustentável”. Verdade seja dita que esse risco é cada vez mais consequência do efeito duplo do desemprego (menos pagadores/mais recebedores) e - muito menos do que se pensa - da demografia, em parte já compensada pelo aumento gradual da idade de reforma (f. de sustentabilidade). Mas porque é que tantos “sábios de ouvido” falam da insustentabilidade das pensões públicas e nada dizem sobre a insustentabilidade da saúde ou da educação também pelas mesmas razões económicas e demográficas? Ou das rodovias? Ou do sistema de justiça? Ou das Forças Armadas? Etc. Será que só para as pensões o pagador dos défices tem que ser o seu pseudo “causador”, quase numa generalização do princípio do poluidor/pagador?

5. “A CES não é um imposto”, dizem. Então façam o favor de explicar o que é? Basta de logro intelectual. E de “inovações” pelas quais a CES (imagine-se!) é considerada em contabilidade nacional como “dedução a prestações sociais” (p. 38 da Síntese de Execução Orçamental de Novembro, DGO).

6. “95% dos pensionistas da SS escapam à CES”, diz-se com cândido rubor social. Nem se dá conta que é pela pior razão, ou seja por 90% das pensões estarem abaixo dos 500 €. Seria, como num país de 50% de pobres, dizer que muita gente é poupada aos impostos. Os pobres agradecem tal desvelo.

7. A CES, além de um imposto duplo sobre o rendimento, trata de igual modo pensões contributivas e pensões-bónus sem base de descontos, não diferencia careiras longas e nem sequer distingue idades (diminuindo o agravamento para os mais velhos) como até o fazia a convergência (chumbada) das pensões da CGA.

8. “As pensões podem ser cortadas”, sentenciam os mais afoitos. Então o crédito dos detentores da dívida pública é intocável e os créditos dos reformados podem ser sujeitos a todas as arbitrariedades?

9. “Os pensionistas têm tido menos cortes do que os outros”. Além da CES, ter-se-ão esquecido do seu (maior) aumento do IRS por fortíssima redução da dedução específica?

10. Caminhamos a passos largos para a versão refundida e dissimulada do famigerado aumento de 7% na TSU por troca com a descida da TSU das empresas. Do lado dos custos já está praticamente esgotado o mesmo efeito por via laboral e pensional, do lado dos proveitos o IRC foi já um passo significativo.

11. Com os dados com que o Governo informou o país sobre a “calibrada” CES, as contas são simples de fazer. O buraco era de 388 M€. Descontado o montante previsto para a ADSE, ficam por compensar 228 M€ através da CES. Considerando um valor médio de pensão dos novos atingidos (1175€ brutos), chegamos a um valor de 63 M€ tendo em conta o número – 140.000 pessoas - que o Governo indicou (parece-me inflacionado…). Mesmo juntando mais alguns milhões de receitas por via do agravamento dos escalões para as pensões mais elevadas, dificilmente se ultrapassam os 80 M€. Faltam 148 M, quase 0,1% do PIB (dos 0,25% que o Governo entendeu não renegociar com a troika, lembram-se?). Milagre? “Descalibração”? Só para troika ver?

12. A apelidada “TSU dos pensionistas” prevista na carta que o PM enviou a Barroso, Draghi e Lagarde em 3/5/13 e que tinha o nome de “contribuição de sustentabilidade do sistema de pensões” valia 436 M€. Ora a CES terá rendido no ano que acabou cerca de 530 M€. Se acrescentarmos o que ora foi anunciado, chegaremos, em 2014, a mais de 600 M€ de CES. Afinal não nos estamos a aproximar da “TSU dos pensionistas”, mas a … afastarmo-nos. Já vai em mais 40%!

13. A ideologia punitiva sobre os mais velhos prossegue entre um muro de indiferença, um biombo de manipulação, uma ausência de reflexão colectiva e uma tecnocracia gélida. Neste momento, comparo o fácies da ministra das Finanças a anunciar estes agravamentos e as lágrimas incontidas da ministra dos Assuntos Sociais do Governo Monti em Itália quando se viu forçada a anunciar cortes sociais. A política, mesmo que dolorosa, também precisa de ter uma perspectiva afectiva para os atingidos. Já agora onde pára o ministro das pensões?

P.S. Uma nota de ironia simbólica (admito que demagógica): no Governo há “assessores de aviário”, jovens promissores de 20 e poucos anos a vencer 3.000€ mensais. Expliquem-nos a razão por que um pensionista paga CES e IRS e estes jovens só pagam IRS! Ética social da austeridade?

Economista, ex-ministro das Finanças


Assim vale a pena. Um visão que desarma a demagogia cheia de mentira do atual Governo.  

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ferpina
Membro AAP
avatar

Mensagens : 10219
Data de inscrição : 07/07/2010
Idade : 63
Localização : Assado - Perú

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Ter 14 Jan - 13:45

 


http://www.jornaldenegocios.pt/economia/politica/detalhe/restaurante_da_mealhada_que_se_sente_roubado_pelo_governo_cobra_refeicoes_a_mais_ao_cds.html


 

_________________
Cumprimentos, Fernando Pina
Voltar ao Topo Ir em baixo
Samuel Resendes
Membro AAP
avatar

Mensagens : 1031
Data de inscrição : 15/04/2013
Idade : 48
Localização : Ponta Delgada

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Ter 14 Jan - 14:16

Ferpina escreveu:
 


http://www.jornaldenegocios.pt/economia/politica/detalhe/restaurante_da_mealhada_que_se_sente_roubado_pelo_governo_cobra_refeicoes_a_mais_ao_cds.html


 

A noticia tem a sua piada, esperemos é que ele não faça o mesmo aos outros clientes Smile
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Ter 14 Jan - 14:16

Ferpina escreveu:
 


http://www.jornaldenegocios.pt/economia/politica/detalhe/restaurante_da_mealhada_que_se_sente_roubado_pelo_governo_cobra_refeicoes_a_mais_ao_cds.html


 


Haja que game esses gajos.   

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Ter 14 Jan - 19:00

Há um país onde a lei diz que todos são iguais, mas onde há uns menos iguais
do que os outros.
Estes ajudaram a erguer o país, e muitos até foram à guerra em nome desse
mesmo país.
Mas agora são gente pacífica, de físico debilitado e cujas vozes não chegam
ao céu.
Não ameaçam ninguém, não paralisam o trabalho e já não cumprem os padrões de
produtividade exigidos.
Adoecem mais do que os outros, e são considerados um fardo para a sociedade
pelo que custam em tratamentos.
Não trabalham para pagar o que gastam, embora já antes tivessem trabalhado
para pagar o que recebem.
O poder político desse país entende que vivem acima das suas possibilidades
e que por isso são uma dor de cabeça.

Acha mesmo que seria mais fácil governar se eles não existissem.
Conclui assim pela sua inutilidade, que estão a mais, que são descartáveis.
Não se importa de lhes dificultar o acesso à saúde, porque é indiferente que
morram mais cedo.
Talvez seja até preferível, porque morrendo mais cedo ajudam a melhorar o
exercício orçamental.
Sendo alvos fáceis e dóceis, sem capacidade contestatária e sem instrumentos
de pressão, nada custa retirar-lhes direitos e regalias antes julgados
vitalícios.

Sendo solidários e ajudando os familiares mais carenciados, não recebem em
troca a solidariedade dos poderes públicos.
Pelo contrário, são os primeiros na linha de fogo, e quando o poder sente
alguma aflição financeira é a eles, e muitas vezes só a eles, que começa por
retirar as verbas necessárias.

Mesmo que a suprema autoridade judicial se interponha, declarando ilegal tal
prática, os governantes não se sentem na obrigação de acatar a restrição,
antes a contornam e insistem no mesmo.
E insistem retirando-lhes ainda mais verbas, e retirando a mais vítimas do
que antes tinham feito.
Não dizem que aumentam o confisco, mas que estão a recalibrar.
Dizem também que não é um imposto, quando tem toda a forma de um imposto – e
um imposto agravado.
Um imposto que se aplica apenas ao tal grupo, e não a todos os contribuintes
do país.
Esse grupo são os velhos, e o país, onde não há lugar para velhos, chama-se
Portugal.
É um país descalibrado, onde manda muita gente sem calibre.

Joaquim Vieira (texto lido na Antena 1)



http://images.wook.pt/getresourcesservlet/GetResource?LQ53eIEXkHljyDo4S0zVhJ
90Yb4aC5YG87QsstAItwU=


Joaquim Vieira nasceu em Leiria, em 1951.

Jornalista, ensaísta e documentarista, foi membro da direção de vários
órgãos de informação (Expresso, RTP, Grande Reportagem).

Assinou a série em 10 volumes Portugal Século XX - Crónica em Imagens e
dirigiu uma coleção de 18 fotobiografias (de que escreveu os volumes sobre
Salazar, Marcelo Caetano, Almada Negreiros e Benoliel) e Crónica de Ouro do
Futebol Português (cinco volumes) e ainda A Nossa Telefonia - 75 anos de
Rádio Pública em Portugal.

Coautor de Mataram o Rei! - O Regicídio na Imprensa Internacional, República
em Portugal!

O 5 de Outubro visto pela Imprensa Internacional e Os Meus 35 Anos com
Salazar, escreveu Jornalismo Contemporâneo - Os Media entre a Era Gutenberg
e o Paradigma Digital, Mocidade Portuguesa - Homens para um Estado Novo, A
Governanta e Só um Milagre nos Salva.

Os seus mais recentes documentários intitularam-se Maior que o Pensamento e
Os Mitos da República.

Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Ter 14 Jan - 19:03

CNeves escreveu:
É um país descalibrado, onde manda muita gente sem calibre.


Que grande frase.   

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 15 Jan - 12:38

 photo SNS_zpsbbf8825f.jpg


Boas audições
Voltar ao Topo Ir em baixo
PAINTER
Membro AAP


Mensagens : 972
Data de inscrição : 06/10/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 15 Jan - 14:39

CNeves escreveu:
 photo SNS_zpsbbf8825f.jpg


Boas audições

Uma anedota bem verdadeira!!! infelizmente os nossos governos têm objectivos camuflados... e o actual é a Saúde   
Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 15 Jan - 17:33

Pede-se para divulgar

Carta aberta do Tenente-Coronel de Cavalaria Paulo Banazol ao Ministro de Portugal, Poiares Maduro:



Sr. Ministro Poiares Maduro

Deixe que me identifique: Paulo M M de Athayde Banazol,contribuinte 131295420, com todos os impostos pagos ao Estado.

Ouvi a S/ intervenção acerca da “inevitabilidade” de cortar pensões e outras prestações sociais. A ser verdade – espero que não! – deixe-me arrolar algumas áreas – garantidamente do S/ conhecimento –, aonde o Governo pode “inevitavelmente” cortar:

Deputados – são 330 no Continente e Ilhas, com vencimentos (3.624,41 €/mês), despesas representação (370,32€), prémios de presença no Plenário (69,19€), deslocações (0,36 €/Km) deslocações em “Trabalho Político” (se é que se sabe o que isto é !) Território Nacional (376,32€), Europa (450,95€) fora da Europa (1.074,80€), deslocações em representação da AR – nacional (69,19€/dia), estrangeiro (133,66€/ dia) e as regalias / mordomias de todos conhecidas e que, se perguntar aos portugueses, todos classificam de escandalosas, absolutamente fora de contexto e imerecidas.

Alguém viu ou ouviu falar da “inevitabilidade de cortes” no número, remunerações e mordomias destas senhoras e senhores? Porque não pagam os deputados as refeições ao preço do comum dos portugueses - menos do n/bolso – menos dos impostos dos portugueses! ...E não me fale em demagogia – o exemplo TEM que vir de cima!

Presidente da AR que se reformou com 12 (DOZE!!!) anos de atividade com uma pensão de 7 mil e muitos Euros – aqui não se põe a “inevitabilidade de cortes”?

Mordomias com Assessores e Secretárias, subvenções vitalícias a políticos e Deputados, custos com a Presidência da República – que por sinal gasta mais do que a Casa Real Espanhola!!!

Centenas de Juntas de Freguesia e dezenas de Câmaras Municipais – vereadores, assessores, “especialistas” e comissões – aonde está a “inevitabilidade dos cortes”?

Para quando a VERDADEIRA renegociação das PPP’s, SWAP’s, SCUT’s e Rendas Energéticas bem como a devolução aos cofres do Estado dos milhões “emprestados” ao BPN? De acordo com o Prof Boaventura Santos, se considerados os cortes nestas áreas a poupança seria de cerca de 2 mil e cem milhões de Euros - e já agora faça-me um favor ministro Poiares Maduro, não me diga que o Prof Boaventura Sousa não é conhecedor da realidade e demagogo.

Juízes do Tribunal Constitucional e Juízes – para quando os “inevitáveis cortes” nos vencimentos e subsídios de residência bem como a regularização dos tempos de serviço para obtenção da reforma?

Viaturas do Estado - de um total de largas centenas “cortaram” ½ dúzia! Extraordinário esforço!!!

Campanha Eleitoral para as Autárquicas - 9,7 milhões - “inevitabilidade dos cortes”?

Fundações - como diz a nossa Gente – “tanta parra e pouca uva” – cortaram? Quantas, aonde, quais , poupanças?

O mesmo relativamente às “milhentas” Comissões - “inevitabilidade dos cortes”?

Vencimentos, mordomias e Regimes Especiais na TAP, ANA, CP, CGD, Metro, TV, etc., etc., etc. – aonde está a “inevitabilidade" dos cortes”? Parque Escolar? Palestina? SCUT’s? IMI / edifícios pertença dos partidos políticos e milhentas nomeações de assessores, especialistas e consultores? Etc.. etc... etc...



Surpreende-me (para não dizer mais nada !) a determinação do Governo na defesa da “inevitabilidade de cortes” nas pensões – será que o vai fazer às atribuídas ao Dr. Jardim Gonçalves, juízes, deputados, etc., etc. ? A Vossa determinação parece ter um só “alvo” – os fracos e sem voz – à minha mãe – 84 anos e numa cadeira de rodas - a Vossa determinação tirou 60 em 800 euros.

Ao ex-presidentes: Soares - 500.000 E (fora a Fundação) e Sampaio – 435.000 E (fora a Fundação Cidade Guimarães) - não se viu ou ouviu aplicar a “inevitabilidade de cortes” – serei eu que, nos meus quase 60, ando distraído.

Quando é que se responsabiliza - e prende !!!! - o Estado os governantes responsáveis pelos atropelos à lei e esbanjar de dinheiros públicos ??

A “inevitabilidade dos cortes” justifica cortes na ajuda à saúde aos militares e funcionários públicos e mantém o nível de impostos às pessoas acima do taxado às empresas – Bancos e Companhias de Seguro com lucros inacreditáveis para um país em crise – aonde a “inevitabilidade” de ajustar impostos?

Os “inevitáveis cortes” ministro Poiares Maduro, cessam quando o Estado e o Governo de que faz parte, cortarem aonde TÊM que cortar e na minha opinião, deixarem de esbanjar dinheiro, de privilegiar uns à custa dos dinheiros de outros e de acabar com as exceções aos sacrifícios que, parece, não são suportados por todos por igual – até lá não haverá “inevitáveis cortes” que suportem este estado de coisas.

Porque não quero tornar estas linhas em assunto pessoal, não refiro os “inevitáveis cortes” que a minha pensão tem vindo a sofrer e que, por vontade Sua, vai ser alvo de mais “inevitáveis cortes”. Até quando ministro Poiares Maduro os “inevitáveis cortes” – quando o rendimento disponível chegar a “0”?



Ainda e longe de completar o rol:

1 - Victor Constâncio, atuação como Governador do BdeP e custos

2 - Madeira e as obras faraónicas do Governo

3 - Reformas de Luxo – o nº de reformados que ganhavam 4000 (ou mais) euros engordou cerca de 400%

4 - CP - de acordo com a folha salarial da CP, um inspetor-chefe de tração recebe 52,3 mil euros, há maquinistas com salários superiores a 40 mil euros e operadores de revisão e venda com remunerações que ultrapassam os 30 mil euros / ano.

5 – a lei de financiamento de campanhas - a recente decisão do Governo de aumentar os montantes dos ajustes diretos permitidos a governantes e autarcas permite fuga aos impostos

6 – BdeP – os privilégios e despesismo do Banco prolongam-se numa lista longa e ofensiva

7 – EDP – 800 viaturas para um total de 1800 funcionários com faturas anuais de combustível de 10 000 E

8 – Viaturas EP – em 63 EP há 224 carros para gestores que custaram ao Estado 6,4 milhões de euros – fora o resto !!

9 – Os milhares de Euros em Ajustes Diretos que põem em causa a "concorrência, a igualdade, a transparência e a boa gestão dos dinheiros públicos", pelo que podem "agravar o risco" de corrupção.

10 - Despesas de representação, Cartões de Crédito e telemóveis

11 – Projetos ruinosos tipo aeroporto de Beja

12 – Milhões injetados nas PPP’s e Banca Privada

Etc... etc... etc...



Muitos, muitos mais casos haveria para arrolar ministro Poiares Maduro que são do conhecimento de todos nós, aonde o esbanjar de dinheiros públicos se vê à vista desarmada e que, se combatido com a DETERMINAÇÃO dos portugueses que fizeram Portugal, talvez evitasse os “inevitáveis cortes” que a S/determinação entende serem necessários.

É por causa de tudo que arrolei – e o do muito que ficou por arrolar – que Membros do Governo são assobiados e apupados – nem todos os que assim procedem são comunistas, nem todos com agenda política – discordo mas compreendo!

Ministro Poiares Maduro – estou longe – MUITO LONGE – da política e políticos pelo que não tenho simpatia por políticos e filiação em NENHUMA força política.

Filiei-me quando, com 20 e poucos anos – jovem oficial -,Jurei Bandeira! Essa é a minha única filiação pelo que tenho MUITA dificuldade em entender estas situações, bem como a “inevitabilidade dos cortes”, que considero profundamente injustos para a os portugueses... Coisas de Soldado!


Cumprimenta

Paulo Banazol



Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 15 Jan - 17:38



Boas audições
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 15 Jan - 17:43

Será que é lido por quem devia ler?

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 15 Jan - 18:38

EMBORA HAJA QUEM DUVIDE ....


O Zé António Saraiva passou a ter Constâncio na conta de pessoa de carácter duvidoso mal soube que ele andava a espalhar por todos os cantos da Lisboa política que os ataques que lhe faziam no "Expresso" eram tão-só uma pérfida vingança do seu director por ele o ter derrotado em partidas de ténis e de xadrez, disputadas quando ambos se encontraram nas férias.

Não conheço Vítor Constâncio ao ponto de poder emitir uma opinião abalizada sobre o seu carácter. Todavia, creio estar na posse de informação suficiente para o caracterizar como um sobrevivente.

Constâncio, que amanhã deixa a casa dos sexagenários (ficam desde já aqui os meus parabéns antecipados), sobreviveu a três anos de desastrada e cinzenta liderança do PS, cargo em que sucedeu a Mário Soares e abandonou em 1989, na sequência da sua impotência em arranjar um candidato às eleições para a Câmara de Lisboa - e após ter sido derrotado nas legislativas por Cavaco, a quem proporcionou uma inédita maioria absoluta.

Só um sobrevivente como Constâncio, depois de sair da política pela porta das traseiras, poderia construir uma brilhante carreira académica, onde cometeu a proeza de chegar a catedrático sem ter concluído o doutoramento, a par de um lucrativo périplo pelas empresas, como administrador da EDP e BPI.

Só um sobrevivente lograria, no dealbar do novo século, regressar ao cargo de governador do Banco de Portugal, que ocupou durante dez anos auferindo o bonito salário mensal de 17 372 euros, um pouco mais do que o dobro do vencimento do presidente da Reserva Federal norte-americana.

Só um sobrevivente conseguiria ser promovido a vice-presidente do Banco Central Europeu, com um salário anual de 320 mil euros e o pelouro da supervisão bancária, depois de ter sido incapaz de detectar as fraudes, aldrabices e patifarias do BPN e Banco Privado que custaram mais de cinco mil milhões de euros aos contribuintes - e de fazer orelhas moucas aos alertas feitos em devido tempo pela Imprensa.

Constâncio também sobreviveu à sua mulher, Maria José, que nos deixou a 29 de Agosto. E apesar de ganhar 26 724 euros por mês, o viúvo Vítor Manuel Ribeiro Constâncio tem automaticamente direito a uma pensão de sobrevivência no valor de 2400 euros/mês, o equivalente a 60% da pensão da falecida.

Não sei se naquele momento de dor, no meio da papelada que a agência funerária lhe passou para as mãos - onde constam os impressos solicitando o subsídio de funeral e a pensão de sobrevivência - , o viúvo Constâncio assinou este último.

Sei que ele não precisa da pensão de sobrevivência para sobreviver. Sei ainda que para sobrevivermos temos de acabar com a possibilidade de ele receber uma pensão de sobrevivência. Ele e muitos outros como ele...

Boas audições   
Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 15 Jan - 19:27

A ser verdade, como parece que é,
este deputado deveria der deportado




A história veio na imprensa e tem os ingredientes todos para ser um caso de polícia. Mas, ou há justiça, ou ainda vai parecer que há um deputado da Assembleia da República, de nome Rui Duarte, do PS de Coimbra, que, ou possui asas a jacto ou, ainda mais espantosamente, deterá o dom divino da ubiquidade!

Vá-se lá a ver que o deputado Rui Duarte terá estado no Brasil, no dia 15 de Dezembro de 2012, na boda do casamento do seu irmão e, nessa mesmo dia, porém, o deputado tem presenças registadas na AR.
Para que conste: as presenças na AR são registadas presencial e pessoalmente por via electrónica, quando os deputados inserem as respectivas passwords e logins nos computadores, nos seus lugares no plenário.
Devia ser assim, mas passou-se uma coisa diferente.
E então o caso piora: o deputado faltoso terá contado com a ajuda de um outro colega deputado que fraudulentamente inseriu os dados do faltoso para, afinal, o dar como presente!!!
Ou seja, e a ser verdade esta história denunciada na imprensa, temos, pelo menos dois deputados apanhados, com o rabo preso no livro de ponto da Assembleia da República.
O primeiro já não tem como fugir, falta só saber quem foi o compincha.
É de pasmar, a ser verdade a ocorrência desta fraude este parlamento português ainda corre o risco de ser identificado como uma escola de crime! fonte

Mas também não havia necessidade, para eles é tão fácil faltar! Para quê cair na asneira de o fazer de forma fraudulenta? Será para ganharem calo? Têm que começar cedo a mostrar que estão aptos? Que são peritos? Este falhou?

Como os deputados justificam faltas por doença.
Sim, são os mesmos que legislaram sobre a suspensão do vencimento nos 3 primeiros dias de um atestado médico!
Para bom entendedor, basta ler o ponto 7...
Os deputados são pessoas de confiança, basta a palavra deles para justificar uma falta, já os portugueses, comuns, não são de confiar.

"Aprova o Regime de Presenças e Faltas ao Plenário
Resolução da Assembleia da República n.º 21/2009, de 26 de Março
A Assembleia da República resolve, nos termos do n.º 5 do artigo 166.º da Constituição, o seguinte:
1 ‐ As presenças nas reuniões plenárias são verificadas a partir do registo de início de sessão efectuado pessoalmente por cada Deputado, no respectivo computador no hemiciclo.
2 ‐ Os serviços registam oficiosamente na base de dados que faz a gestão das presenças, a partir dos elementos de informação na sua posse, os Deputados que, por se encontrarem em missão parlamentar, não comparecerem à reunião.
3 ‐ Aos Deputados que não se registem durante a reunião ou não se encontrem em missão parlamentar é marcada falta.
4 ‐ Os procedimentos referidos nos números anteriores reportam‐se a cada reunião, podendo esta repartir‐se por vários períodos num só dia.
5 ‐ Para efeitos da eventual aplicação de sanções, apenas releva uma falta em cada dia, prevalecendo a referente às reuniões plenárias, no dia em que estas tenham lugar.
6 ‐ Os Deputados têm o direito de apresentar justificação para as faltas, nos termos estabelecidos no respectivo Estatuto e no Regimento, observando as respectivas exigências de fundamentação.
7 ‐ A palavra do Deputado faz fé, não carecendo por isso de comprovativos adicionais. Quando for invocado o motivo de doença, poderá, porém,ser exigido atestado médico caso a situação se prolongue por mais de uma semana." fonte

Oh Rui, não havia necessidade.... A PALAVRA DO DEPUTADO FAZ FÉ, NÃO CARECE DE PROVAS...

ALGUNS EXEMPLOS DE PRIVILÉGIOS OFENSIVOS, DAS ELITES QUE SE SERVEM DE NÓS


Em flores
Em Assistentes pessoais
Em cantinas
Em subvenções vitalícias, precoces e que dobram de valor aos 60 anos
Em Golf subsidiado, é essencial
Em regalias aos ex-presidentes
Em despesismo inútil
Em Regalias e mais regalias aos deputados
Em Incompetência / irresponsabilidade
Majestoso menu de luxo, da AR
Em video, mais luxos
Os carros de luxo... ou bólides
O orçamento da AR de 2013, engorda?
Deputados defendem o povo, atacam deputados?
Em Água mineral, por favor.
Deputados representam o interesse dos deputados
Em numerosos de deputados
O futuro dourado
Marinho Pinto tenta enfrentar os deputados advogados
os privilegiados
CORRUPÇÃO À DESCARADA


Boas audições
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 15 Jan - 19:56

O que mais me impressiona, e do qual estou convicto (há muitos anos), é que tudo o que vem à luz do dia não deve de passar de uma pequena "amostra" dos reais abusos que são perpetuado à décadas e que estão ocultos.

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 15 Jan - 20:35

"Eu não quero, eu não aceito esta gente, não aceito o que estão a fazer ao meu país. Não votei neles, não estou para ser governado por este bando de incompetentes.”


http://www.noticiasaominuto.com/cultura/159403/fernando-tordo-revoltou-se-com-governantes-e-vai-emigrar#.UtbwobTvjCN

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
vlopes
Membro AAP
avatar

Mensagens : 2993
Data de inscrição : 03/07/2010
Localização : Azeitão

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 15 Jan - 22:21

António José da Silva escreveu:
"Eu não quero, eu não aceito esta gente, não aceito o que estão a fazer ao meu país. Não votei neles, não estou para ser governado por este bando de incompetentes.”


http://www.noticiasaominuto.com/cultura/159403/fernando-tordo-revoltou-se-com-governantes-e-vai-emigrar#.UtbwobTvjCN

Este é o grito de revolta que anda na boca de milhões de Portugueses, e apontado a este e aos outros bandos passados...
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 15 Jan - 22:28

vlopes escreveu:
António José da Silva escreveu:
"Eu não quero, eu não aceito esta gente, não aceito o que estão a fazer ao meu país. Não votei neles, não estou para ser governado por este bando de incompetentes.”


http://www.noticiasaominuto.com/cultura/159403/fernando-tordo-revoltou-se-com-governantes-e-vai-emigrar#.UtbwobTvjCN

Este é o grito de revolta que anda na boca de milhões de Portugueses, e apontado a este e aos outros bandos passados...


E ele até foi brando (quanto a mim). Aquilo não são incompetentes, aquilo na maioria dos casos, são criminosos.

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
CNeves
Membro AAP


Mensagens : 1098
Data de inscrição : 13/11/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qui 16 Jan - 12:19

Assunto: FW: Mãe do Paulo Portas no Facebook...


Uma mãe infeliz, Escrito por Helena Sacadura Cabral


"Ontem tive o azar de apanhar o PM do país onde nasci, a explicar das
suas razões para uma mais que certa retroactividade de cortes aos
pensionistas "que estão a receber".(sic)
Fui educada numa família de gente séria que trabalhava para sustentar
os seus e que considerava ser essa a obrigação de todos aqueles que
tinham decidido constitui-la.
Trabalho para viver do modo que sempre vivi, pois a reforma que recebo
e o que este Estado me tira - estou a ser educada - não me permitiriam
viver apenas dela. E tenho a sorte de ainda haver quem prefira comprar
um livro meu a uma camisola básica.Essa é que é essa.
Dito isto, desliguei a televisão irritadíssima. Pronunciei alto umas
palavras que não costumo usar e deitei-me. Tive uma noite de insónia,
revoltada com o que ouvira e decidi que ninguém me poria a vista em
cima nesta fim de semana. Era a minha única forma de evitar eventuais
desaguisados.
Hoje levantei-me e fui à missa pela minha Mãe, que faria anos se fosse
viva. E sabem que mais? Fui comer sardinhas assadas lá para as bandas
do Tejo, beber sangria e caminhar ao sol. Desanuviei
O Dr Gaspar e a reforma do Estado podem levar-me a pensão, podem
levar-me o pouco que tenho no banco para uma doença, mas não hão-de
conseguir nem levar-me a voz, nem levar-me a alegria de estar viva.
Porque eu não quero e porque eu não deixo!"

Boas audições
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qui 16 Jan - 14:08

É bom saber que a mãe não compactua com os crimes do filho.

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ferpina
Membro AAP
avatar

Mensagens : 10219
Data de inscrição : 07/07/2010
Idade : 63
Localização : Assado - Perú

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qui 16 Jan - 19:30

Um conto...


… qualquer semelhança com a actualidade é pura coincidência!!!



Nos tempos em que os reis mandavam, numa noite escura, à entrada de Dezembro, o rei veio à varanda do seu iluminado palácio e reparou que a cidade estava escura como breu.

Chamou o seu primeiro-ministro e ordenou-lhe:

- Antes do natal quero ver a cidade toda iluminada. Toma lá uns contitos de reis (100 mil euros) e trata-me já de resolver o problema.

O primeiro-ministro chamou o presidente da câmara e ordenou-lhe:

- O nosso rei quer a cidade toda iluminada ainda antes do natal. Toma lá 50 mil euros e trata imediatamente de resolver o problema.

O presidente da câmara chama o chefe da polícia e diz-lhe:

- O nosso rei ordenou que puséssemos a cidade toda iluminada para o natal. Toma lá 20 mil euros e trata imediatamente de resolver o problema.

O chefe da polícia emite um edital a dizer:

“Por ordem do rei em todas as ruas e em todas as casas deve imediatamente ser colocada iluminação de natal.  Quem não cumprir esta ordem será enforcado”.

Uns dias depois o rei veio à varanda e, ao ver a cidade profusamente iluminada, exclamou:

- Que lindo! Abençoado dinheiro que gastei. Valeu a pena.

_________________
Cumprimentos, Fernando Pina
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qui 16 Jan - 19:50

O povo mama a bucha como se costuma de dizer.

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sex 17 Jan - 16:25

Que maravilha que isto é (para alguns).




Prescrição livra Manuel Macedo de fraude fiscal
Empresário já não vai responder em tribunal num processo de fraude fiscal avaliada em 6,7 milhões de euros. O processo prescreveu.



http://expresso.sapo.pt/prescricao-livra-manuel-macedo-de-fraude-fiscal=f851143

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
PAINTER
Membro AAP


Mensagens : 972
Data de inscrição : 06/10/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sex 17 Jan - 16:35

Ferpina escreveu:
Um conto...


… qualquer semelhança com a actualidade é pura coincidência!!!



Nos tempos em que os reis mandavam, numa noite escura, à entrada de Dezembro, o rei veio à varanda do seu iluminado palácio e reparou que a cidade estava escura como breu.

Chamou o seu primeiro-ministro e ordenou-lhe:

- Antes do natal quero ver a cidade toda iluminada. Toma lá uns contitos de reis (100 mil euros) e trata-me já de resolver o problema.

O primeiro-ministro chamou o presidente da câmara e ordenou-lhe:

- O nosso rei quer a cidade toda iluminada ainda antes do natal. Toma lá 50 mil euros e trata imediatamente de resolver o problema.

O presidente da câmara chama o chefe da polícia e diz-lhe:

- O nosso rei ordenou que puséssemos a cidade toda iluminada para o natal. Toma lá 20 mil euros e trata imediatamente de resolver o problema.

O chefe da polícia emite um edital a dizer:

“Por ordem do rei em todas as ruas e em todas as casas deve imediatamente ser colocada iluminação de natal.  Quem não cumprir esta ordem será enforcado”.

Uns dias depois o rei veio à varanda e, ao ver a cidade profusamente iluminada, exclamou:

- Que lindo! Abençoado dinheiro que gastei. Valeu a pena.

Um conto real e actual!!!   
Voltar ao Topo Ir em baixo
PAINTER
Membro AAP


Mensagens : 972
Data de inscrição : 06/10/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sex 17 Jan - 16:41

António José da Silva escreveu:
Que maravilha que isto é (para alguns).




Prescrição livra Manuel Macedo de fraude fiscal
Empresário já não vai responder em tribunal num processo de fraude fiscal avaliada em 6,7 milhões de euros. O processo prescreveu.



http://expresso.sapo.pt/prescricao-livra-manuel-macedo-de-fraude-fiscal=f851143

É pena que os jornalistas não se lembram antes da prescrição... é sempre depois!!!   
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Sab 18 Jan - 22:25





_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
reirato
Membro AAP
avatar

Mensagens : 3135
Data de inscrição : 08/11/2010
Idade : 74
Localização : Stª Maria de Belém, Lisboa

MensagemAssunto: Referendos   Seg 20 Jan - 13:21



  

 bom 

 king
Voltar ao Topo Ir em baixo
http://arato.rocha@gmail.com
PAINTER
Membro AAP


Mensagens : 972
Data de inscrição : 06/10/2012

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Seg 20 Jan - 15:00

Impossível agradar a Gregos e Tróianos...   
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Seg 20 Jan - 18:35

Fisco apanha Marques Mendes em venda ilegal de ações


O Fisco detetou vendas ilegais de ações da Isohidra feitas por Marques Mendes e Joaquim Coimbra, em 2010 e 2011, e que terão lesado o Estado em 773 mil euros.


http://www.jn.pt/PaginaInicial/Seguranca/Interior.aspx?content_id=3640526

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
vlopes
Membro AAP
avatar

Mensagens : 2993
Data de inscrição : 03/07/2010
Localização : Azeitão

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Seg 20 Jan - 19:08

António José da Silva escreveu:
Fisco apanha Marques Mendes em venda ilegal de ações


O Fisco detetou vendas ilegais de ações da Isohidra feitas por Marques Mendes e Joaquim Coimbra, em 2010 e 2011, e que terão lesado o Estado em 773 mil euros.


http://www.jn.pt/PaginaInicial/Seguranca/Interior.aspx?content_id=3640526

Porreiro pah!

Para quem se tem vindo a intitular o arauto das boas practicas e bons costumes.

Este pais é mesmo um sitio mal frequentado.E até quando é que vamos permitir que esta gente nos roube continuamente?....
Voltar ao Topo Ir em baixo
Rui Mendes
Membro AAP
avatar

Mensagens : 3174
Data de inscrição : 17/04/2012
Idade : 47
Localização : Alfragide

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Seg 20 Jan - 19:15

vlopes escreveu:
António José da Silva escreveu:
Fisco apanha Marques Mendes em venda ilegal de ações


O Fisco detetou vendas ilegais de ações da Isohidra feitas por Marques Mendes e Joaquim Coimbra, em 2010 e 2011, e que terão lesado o Estado em 773 mil euros.


http://www.jn.pt/PaginaInicial/Seguranca/Interior.aspx?content_id=3640526

Porreiro pah!

Para quem se tem vindo a intitular o arauto das boas practicas e bons costumes.

Este pais é mesmo um sitio mal frequentado.E até quando  é que vamos permitir que esta gente nos roube continuamente?....

Este enganou-me   
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Seg 20 Jan - 19:51

vlopes escreveu:
António José da Silva escreveu:
Fisco apanha Marques Mendes em venda ilegal de ações


O Fisco detetou vendas ilegais de ações da Isohidra feitas por Marques Mendes e Joaquim Coimbra, em 2010 e 2011, e que terão lesado o Estado em 773 mil euros.


http://www.jn.pt/PaginaInicial/Seguranca/Interior.aspx?content_id=3640526

Porreiro pah!

Para quem se tem vindo a intitular o arauto das boas practicas e bons costumes.

Este pais é mesmo um sitio mal frequentado.E até quando  é que vamos permitir que esta gente nos roube continuamente?....



Como eu costumo de dizer, o que está à supreficie é apenas uma pequena amostra dos reias aproveitamentos que a maioria destes intocáveis têm feito.

_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
Samuel Resendes
Membro AAP
avatar

Mensagens : 1031
Data de inscrição : 15/04/2013
Idade : 48
Localização : Ponta Delgada

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Seg 20 Jan - 19:56

As Moscas é que mudam, porque a m*&da é sempre a mesma...
Voltar ao Topo Ir em baixo
ricardo onga-ku
Membro AAP
avatar

Mensagens : 5237
Data de inscrição : 02/01/2012
Localização : Terra d'Anglos...e Saxões

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 22 Jan - 13:00

Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64911
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 52
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 22 Jan - 13:11

ricardo onga-ku escreveu:


Interessante que ele diz um monte de verdades, verdade essa a que agora pertence.


_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
gorogoro
Membro AAP
avatar

Mensagens : 530
Data de inscrição : 30/08/2011
Idade : 39
Localização : Lisboa

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 22 Jan - 13:47


Um ecossistema
POLÍTICO-EMPRESARIAL
PORTUGAL 1975-2013

http://pmcruz.com/eco/#.UtyMIG--f64.facebook

Visualização interactiva das relações de membros de Governos de Portugal com empresas e grupos



Muito Bom!!!!
Voltar ao Topo Ir em baixo
ricardo onga-ku
Membro AAP
avatar

Mensagens : 5237
Data de inscrição : 02/01/2012
Localização : Terra d'Anglos...e Saxões

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 22 Jan - 13:59

Muito bem feito…e deprimente.

R
Voltar ao Topo Ir em baixo
zaratustra
Membro AAP
avatar

Mensagens : 4764
Data de inscrição : 09/07/2010
Localização : Frossos, Albergaria-a-Velha

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 22 Jan - 14:03

gorogoro escreveu:

Um ecossistema
POLÍTICO-EMPRESARIAL
PORTUGAL 1975-2013

http://pmcruz.com/eco/#.UtyMIG--f64.facebook

Visualização interactiva das relações de membros de Governos de Portugal com empresas e grupos



Muito Bom!!!!

Muito bom, mesmo!

Voltar ao Topo Ir em baixo
http://zaratustrices.blogspot.com/
Rui Mendes
Membro AAP
avatar

Mensagens : 3174
Data de inscrição : 17/04/2012
Idade : 47
Localização : Alfragide

MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   Qua 22 Jan - 14:22

Muito mau mesmo
Voltar ao Topo Ir em baixo
Conteúdo patrocinado




MensagemAssunto: Re: Algumas vergonhas no nosso jardim   

Voltar ao Topo Ir em baixo
 
Algumas vergonhas no nosso jardim
Voltar ao Topo 
Página 2 de 20Ir à página : Anterior  1, 2, 3 ... 11 ... 20  Seguinte
 Tópicos similares
-
» Algumas vergonhas no nosso jardim
» Algumas vergonhas no nosso jardim
» Orgulhos do nosso Jardim
» Algumas histórias, sobre algumas músicas
» Som Nosso de Cada Dia - A história.

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Áudio Analógico de Portugal :: Off Topic-
Ir para: