Áudio Analógico de Portugal
Bem vindo / Welcome / Willkommen / Bienvenu

Áudio Analógico de Portugal

A paixão pelo Áudio


Fórum para a preservação e divulgação do áudio analógico, e não só...
 
InícioPortalCalendárioPublicaçõesFAQGruposRegistrar-seConectar-se
Fórum para a preservação e divulgação do áudio analógico, e não só...

Compartilhe | 
 

 COMO ESCUTAR MÚSICA:

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Pierre
Membro AAP
avatar

Mensagens : 1484
Data de inscrição : 24/11/2010
Idade : 48
Localização : Elvas

MensagemAssunto: COMO ESCUTAR MÚSICA:   Ter Dez 13 2011, 10:00

Achei bem compartilhar este texto, publicado pelo amigo Ricardo (onga-ku).

"COMO ESCUTAR MÚSICA:
Encontrei este texto, meio-espiritualista, meio-auto-ajuda, meio-pretensioso, meio-piroso, mas no seu todo acho que tem algo de muito interessante a dizer.

A tradução é do google, só limei algumas arestas para ficar legível e cortei algumas gorduras...

Conhecer aquilo a que damos atenção: um tratado meio louco sobre como escutar música
por Herbert Reichert

Acontece que eu sou um daqueles tolos infelizes que pensa que para onde quer que eu olho, tudo que eu vejo sou eu mesmo.
Na maioria das vezes eu nem noto (pelo menos conscientemente) que estou simplesmente a observar-me, escutar-me e (até) a tocar-me.
Acho que a maioria do que vejo e ouço é uma ilusão - fabricada pelos meus receios e desejos.

Para me sentir normal, mantenho que não estou nem sozinho no meu ponto de vista - nem louco.
Eu suspeito que todos nós o fazemos.
É um mecanismo de defesa.
Aqui está como eu acho que funciona.
Um grupo de nós junta-se e concorda que a realidade se parece com isto ou aquilo - e então, ruminamos uns com os outros que os ruídos que ouvimos soam como um trovão ou talvez pássaros cantando.
Mas será que realmente sabemos como esses pássaros ou o trovão a qualquer outro além de nós mesmos?
Não, nós não sabemos!
Estas são coisas que não podemos saber.

Mas, de falar com as pessoas, eu descobri que a maioria de nós parece ter medo dos mesmos tipos de coisas - a morte, dor, pobreza, falta de amor e, especialmente, tédio e sofrimento.
Nós compartilhamos muitos dos mesmos desejos também.
Todos nós queremos viver muito tempo, ter boa aparência e ser alguém importante (ou, pelo menos, sermos maiores e menos feios do que somos na realidade).

Infelizmente, nesta visão de mundo, as pessoas com menos medos e desejos menos comuns começaram a parecer-se com os loucos.
Porque a sua realidade não se sobrepõem muito com a realidade do grupo mais lato.
O que nos leva à maior questão filosófica de todas: existe (nalgum lugar) uma realidade REAL?

Então digam-me...

Como raio posso eu dizer-vos que colunas reproduzem o chilrear dos pássaros e o ruído do trovão a mais ... mais o quê?
Como pássaros ou um trovão “real”?
“Real” para quem?
O tipo com os maiores medos?
Mais como a gravação das aves e do trovão?
Quem realmente sabe como é que soa a gravação?
Qual é a referência para o realismo absoluto?
De qualquer maneira, até mesmo para falar sobre quais sons de pássaros soam mais reais ainda tenho que encontrar um grupo de pessoas que têm medo das mesmas coisas (audiófilos?)
E que querem as mesmas coisas. Certo?

Então, se não estamos realmente a ouvir e ver o que pensamos que estamos a ouvir e ver, e todos ouvem e vêem algo diferente, como podemos saber o que é de alta qualidade, alta-fidelidade, ou sequer o que somos ou onde estamos?
A resposta é óbvia:, não podemos.
De modo algum.

Mas a situação não é tão má como eu a faço parecer.
Todos nós podemos ter certeza de uma coisa sobre nós mesmos, e acerca da alta-fidelidade.
Se nos esforçarmos, podemos tomar consciência daquilo que NOTAMOS!
Podemos saber quem somos e onde estamos.
Como?
Ao prestar atenção ao que prestamos atenção.
Nós somos aquilo a que damos a nossa atenção.
O que nós não percebemos, é o que nós não somos.
Esta, acredito, é uma lei básica do Universo e, tal como água corre através das nossas mãos, não há nada que possamos fazer para detê-la ou alterá-lo.

Portanto, o melhor que podemos fazer é o seguinte: para prestar atenção - e seguir a corrente!
Desfrutar dela.
Se estamos presos a este princípio para o resto do tempo, então porque não tentamos entendê-lo, apreciá-lo e tirar proveito disso?
Melhor ainda, deixem-me agora mostrar-vos como explorar esta lei fundamental da natureza para vosso próprio benefício.

Comecem por perguntar a vós mesmos algumas destas perguntas:

Que tipo de pessoa sou eu?
Serei um tipo calmo ou nervoso ?
Um sovina ou um mãos largas?
Sou amigo da minha mãe?
Que tipo de música preciso de ouvir?
Que tipo de livros devo ler?
Se tentarem responder a perguntas como estas, honestamente vocês irão descobrir rapidamente que a mais pura verdade sobre quem vocês são realmente não está enterrada tão profundamente como podem pensar.
Tentem fazer o seguinte exercício.

Amanhã de manhã, no caminho para o escritório, procurem perceber o que que tipo de coisas observam.
Conduzir é uma excelente tarefa para nos pormos em contacto com a nossa mente.
Basta prestar atenção ao que estamos pensando enquanto conduzimos para o trabalho.
Tomem notas mentais sobre onde aquilo que atrai a vossa atenção.
Anotem a sequência de pensamentos.
Olharam olhar acima e repararam como era profundo o azul do céu?
Como era a massa das nuvens?
E sua textura?
Repararam na postura de alguém em particular enquanto este caminhava?
Ou o brilho e na cor dos seus olhos?
Será que olharam para os dedos de alguém em particular?
Sentiram-se obcecados com vosso trabalho?
Ou (pior ainda) com vosso sistema?
O vosso chefe é um idiota?
As crianças não vos dão ouvidos?

Se começarem a prestar atenção àquilo que vos desperta a curiosidade ao longo do dia, se começarem a perceber a mudança da mente de uma coisa louca para outra - se vocês reconhecerem quanto tempo a vossa atenção permanece focada mente permanece em cada tópico - ficarão espantados em como rápida e facilmente pode mudar a qualidade da vossa vida.
Não apenas isso, mas irão começou a apreciar música e arte e natureza e as pessoas, mais e mais e mais, até que finalmente, serão capazes de reconhecer quem realmente são, aquilo que apreciam, aquilo de que realmente precisam.

Ouvir música é o exame perfeito ou o barómetro para o seu progresso no desenvolvimento desta fugaz visão interna, na leveza de ser.
Ter uma vida fantástica, emocionante e gratificante, tem tudo a ver com estar atento a onde nossa mente e o nosso coração se encontram num dado momento.
E não há melhore forma de começar do que em casa, enquanto estiverem a escutar música.
Escutar música é perceber onde o seu fluxo leva a mente e o coração.
É também sobre a condição destes órgãos importantes.
Música dirige-se aos nossos sentimentos e o que queremos ser - nossos medos e desejos!

Agora vão, coloquem uma música e escutem.
Perguntem-se: quanto tempo leva minha mente a descontrair, até estar imersa no fluxo musical?
Quanto tempo consigo permanecer envolvido sem resvalar, pensando em sexo ou contas?
Regressam rapidamente ao "espaço" da música, ou é difícil voltar?

Aqui está a parte mais importante...

Perguntem-se:, por que razão decidiram escutar esta música ?
Tentem observar aquilo que sentem quando colocam um disco no leitor - quais são as vossas expectativas para o programa que está prestes a tocar?
Quando vamos para as prateleiras para escolher um disco, (normalmente) temos um objectivo em mente.
É vulgar procurarmos uma mudança de humor ou um estado mais elevado.
Escolham qualquer disco, mas percam um segundo a tomar nota sobre o porquê dessa escolha em particular.
Em seguida, basta sentar e escutá-lo, mas prestem atenção aos vossos pensamentos.
Procurem perceber onde mente flutua e reconhecer como esses pensamentos vos fazem sentir.
Sigam a forma como o vosso humor se altera com o desenrolar da música.

Conseguem fazê-lo?
Claro que sim.
Basta deixar-se flutuar lá no limbo musical observando e escutando e deixando-se mergulhar mais e mais profundamente na experiência da escuta.
E sabem que mais?
Essa sequência de pensamentos e sentimentos e devaneios, sonhos e arrepios que acabaram de sentir (inclusive os pensamentos onde estavam matando o vosso chefe e desejando o regresso vossa ex-namorada) - essa continuidade de experiências é a vossa experiência da música que acabou de tocar.
O que vos fez a música?
Provocou esses pensamentos e, provavelmente, um monte de outras coisas que vocês ainda não estão suficientemente habilitados para notar.
Não é interessante?

Agora perguntem-se...

Era isso que esperavam quando escolheram o disco?
Ter-se-á dado uma repetição da mesma sequência de pensamentos que habitualmente associam a esta música?
Quantos desses pensamentos e quanta dessa experiência vocês acham que se deve à música pela música e quanta deve à música simplesmente por se sentarem, não falarem, permitindo-se alguns momentos de devaneio reflexivo?
Terão trazido muito azedume do dia para a experiência de escuta?
Pergunto-me muitas vezes se a música e o audio como passatempos não são apenas uma desculpa para qualquer outra coisa.
Por exemplo, talvez os usemos como a pesca, para nos possibilitar o isolamento, a meditação ou simplesmente solidão e paz?
Talvez façamos uso da música para escapar da sobreposição de ilusões?

Recomendo que cada vez que vocês escutarem música, prestem atenção, percebam o que estão a notar e sentir e envolvam-se activamente com o continuum de pensamentos e sentimentos .
É assim que os seres humanos interagem com a arte.
É esse continuum de experiência de que a arte trata e que tenta manipular.
O carácter e a qualidade deste continuum, bem como a facilidade em ficar ligado à música diz ao ouvinte muito sobre a qualidade da reprodução de música.
A diferença entre um bom sistema e um sistema medíocre é esta: os melhores sistemas de audio são aqueles que nos mantêm intensamente envolvidos na música que eles estão a reproduzir - mantêm nossa atenção na música - dirigem a nossa atenção para exactamente os mesmos “lugares” que a performance ao vivo.
O melhor audio agarra a nossa atenção, faz-nos pensar e sentir quase tão intensamente como a versão ao vivo o faria.
É este o valor que pagamos a mais quando compramos um sistema de alta fidelidade.
Um mau sistema permite que a nossa mente vagueie com demasiada facilidade, dá-nos “pouco” para cativar a nossa atenção.
uma má música também
E não permite que prestemos atenção àquilo que se passa na música, ao que esta tem para nos oferecer.
Se comprarem o melhor audio poderão notar mais e sentir mais da música que apreciam.
o melhor audio torna-nos mais exigentes com a música que escutamos, com o género que escutamos

Enquanto isso, aqui está o ponto mais importante deste ensaio.
Aqui está o que vos peço.
Vão sentar-se a escutar música.
Prestem atenção a todas as pequenas coisas que se passam dentro da vossa cabeça e coração enquanto escutam.
Em seguida examinem o continuum no seu todo.
Será isto o que queremos da nossa música? (Por favor, senhor, não me diga que esses tipos para lá estão especados a "olhar" para um "palco" estereofónico, contando os violinos no lado esquerdo do palco, prestando atenção ao som da saliva na boca do vocalista, apreciando o impacto dos graves na cavidade gástrica... Eu vos imploro.)
Em vez disso, observem este continuum e perguntem-se: estarei a deixar que o sentimento e a atitude do artista para me afectem?
Estarei a ir de encontro ao músico e à sua arte?
Estarei a deixar-me mergulhar?
Estarei a deixar que a música me perturbe e me transforme?
Estarei a deixar que a música me leve onde quer?

Lembrem-se!

É absolutamente essencial que se mantenham imersos no fluxo e movimento - como está acontecendo. Imaginem que tudo o que vêm e sentem e apreendem e pensam é um fluido que vos está constantemente a atravessar.

Desloquem-se até ao sistema..
Escolha um disco que raramente escutam.
Coloquem o disco no leitor.
Agora observem-se a vós mesmos - prestem atenção - e, apreciem a música!"
Voltar ao Topo Ir em baixo
MJC
Membro AAP
avatar

Mensagens : 3625
Data de inscrição : 03/07/2010
Idade : 66
Localização : Lisboa

MensagemAssunto: Re: COMO ESCUTAR MÚSICA:   Ter Dez 13 2011, 10:26

Boa dia.

Texto interessante. Mas a música é muito mais simples. Basta escutá-la sem preconceitos ou premeditações.

Não concordo com a escolha de um disco que raramente ouçamos. Se raramente o ouvimos, é porque não temos tanto prazer na sua escuta.
É que mesmo »respeitando« todos os preceitos referidos por Herbert Reichert, continuará a existir música da qual não gostamos.

Cumprimentos,
MJC
Voltar ao Topo Ir em baixo
António José da Silva
Membro AAP
avatar

Mensagens : 64355
Data de inscrição : 02/07/2010
Idade : 51
Localização : Quinta do Anjo

MensagemAssunto: Re: COMO ESCUTAR MÚSICA:   Ter Dez 13 2011, 10:34

Tenho muita duvida de que aquilo que sirva para ele seja generalizável. Cada ser humano é único e tem a sua própria maneira de ver, entender e sentir. O "approach" do senhor Reichert poderá não ser igual para todos.
A musica é algo de elementar com uma existência milenar e que nos é natural, esta-nos no ADN (uns mais do que outros).
Penso que (como diz o Mário), "Mas a música é muito mais simples. Basta escutá-la sem preconceitos ou premeditações."


_________________
Digital Audio - Like Reassembling A Cow From Mince  


If what I'm hearing is colouration, then bring on the whole rainbow...


The essential thing is not knowledge, but character.
Joseph Le Conte
Voltar ao Topo Ir em baixo
Pierre
Membro AAP
avatar

Mensagens : 1484
Data de inscrição : 24/11/2010
Idade : 48
Localização : Elvas

MensagemAssunto: Re: COMO ESCUTAR MÚSICA:   Ter Dez 13 2011, 10:53

MJC escreveu:
É que mesmo »respeitando« todos os preceitos referidos por Herbert Reichert, continuará a existir música da qual não gostamos.
MJC

Concerteza. E vice versa... quantas vezes já aconteceu escutar um tema que não dava nada por ele e num momento inesperado como, por exemplo, na sala do dentista, ou de relance num canal tv, e ficar com uma impressão mais favorável.
Voltar ao Topo Ir em baixo
MJC
Membro AAP
avatar

Mensagens : 3625
Data de inscrição : 03/07/2010
Idade : 66
Localização : Lisboa

MensagemAssunto: Re: COMO ESCUTAR MÚSICA:   Ter Dez 13 2011, 12:30

Pierre escreveu:
MJC escreveu:
É que mesmo »respeitando« todos os preceitos referidos por Herbert Reichert, continuará a existir música da qual não gostamos.
MJC

Concerteza. E vice versa... quantas vezes já aconteceu escutar um tema que não dava nada por ele e num momento inesperado como, por exemplo, na sala do dentista, ou de relance num canal tv, e ficar com uma impressão mais favorável.

Estou de acordo consigo Pierre. Mas infelizmente isso não me acontece amiúde. Por vezes revisito um tema por ter ouvido uma versão »cover«, e no fim do dia, prefiro a versão ao original. Na música clássica é »coisa« é um pouco mais radical. Se, por exemplo, tenho uma ou duas interpretações (da mesma obra) que gosto mais, outras que tenham sido preteridas dificilmente serão tiradas da estante e muitas das vezes são inclusivemente cedidas (nem sempre gratuitamente...)

Cumprimentos,
MJC
Voltar ao Topo Ir em baixo
Vodoo
Membro AAP


Mensagens : 7002
Data de inscrição : 05/07/2010
Localização : Usuário BANIDO

MensagemAssunto: Re: COMO ESCUTAR MÚSICA:   Ter Dez 13 2011, 12:51

Bêm estas coisas vindas de onde vêm são sempre normalmente muita parra e pouca uva, contudo estou plenamente de acordo com o Mestre Mário e o António nas suas observações e eventualmente ainda mais radical no aspecto da simplicidade porque até hoje felizmente nunca me passou pela cabeça tanta complexidade no simples prazer de escutar música, e ainda bêm porque assim estou atento ao que nesse momento me interessa que é isso mesmo Ouvir Música !!!

Voltar ao Topo Ir em baixo
Stereo
Membro AAP
avatar

Mensagens : 3487
Data de inscrição : 07/07/2010
Idade : 57
Localização : Lisboa

MensagemAssunto: Re: COMO ESCUTAR MÚSICA:   Qua Dez 14 2011, 21:14

Eu bem tentei ler tudo, mas acabei por me lembrar que era mais importante ouvir música...
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ulrich
Membro AAP
avatar

Mensagens : 4947
Data de inscrição : 06/10/2011
Idade : 39
Localização : Aveiro

MensagemAssunto: Re: COMO ESCUTAR MÚSICA:   Qua Dez 14 2011, 21:39

Viva,

é um relato pessoal muito bem transcrito, é uma experiência descrita.

Eu também penso que a Música, em toda a sua plenitude, desde a criação, passando pela interpretação e acabando na sua reprodução, é acima de tudo uma arte para ser sentida.

Claro que , como nós sabemos, algumas pessoas tornam-se tão especialistas/conhecedoras que começam a "dissecar" os detalhes com cada vez mais pormenor.

No meu caso é um processo que começou à alguns anos e vai correndo ao sabor das experiências que os anos me vão proporcionando.

Abraços
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ulrich
Membro AAP
avatar

Mensagens : 4947
Data de inscrição : 06/10/2011
Idade : 39
Localização : Aveiro

MensagemAssunto: Re: COMO ESCUTAR MÚSICA:   Qua Dez 14 2011, 21:54



peço desculpa, mas aproveito para perguntar aqui se alguém sabe onde posso encontrar uma edição de vinyl com Sinde Filipe a recitar Fernando Pessoa e os seus alter-ego?



Cresci a ouvir isto.

Abraços
Voltar ao Topo Ir em baixo
 
COMO ESCUTAR MÚSICA:
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» A música une os povos.
» Melody Box -Compartilhamento de Música Independente
» Tipo de baixo para o estilo de música
» Ouvir minha própria entrada de áudio
» One Direction first single "What Makes You Beautiful"

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Áudio Analógico de Portugal :: Áudio Geral-
Ir para: